Páginas

domingo, 4 de setembro de 2011

Pés


Christian Piper representa há muito tempo, na arte gráfica alemã, um estilo pessoal em ilustrações de revistas e jornais como Vogue e The New York Times. No cartaz de performance do balé moderno, a figura de um pé em cores fortes causa impacto visual Fotografia de Sebastião Salgado, trabalhadores da terra, pés plantados no chão mais seco: Na construção de um açude para a retenção das águas da chuva durante a grande seca de 1982-83 no sertão do Ceará, os trabalhadores eram as populações pobres que recebiam como remuneração a alimentação necessária à subsistência Artistas de diversas nacionalidades participaram da Edition Olympia, concurso internacional de cartazes para divulgar os jogos da Olimpíada de Munique, em 1972. Tom Wesselmann (1931-2004) definiu um conceito gráfico - ao desenhar um pé - como representação de uma modalidade esportiva Gary Richards conta que sempre sonhou em ser empresário. Certo dia, folheando uma revista voltada para pessoas que se excitam sexualmente ao ver um pé, se deu conta de que ali havia um mercado inexplorado. Fez um molde de borracha dos pés de sua esposa e anunciou seu produto. Richards agora tem uma fábrica de pés Fantasies Unlimited, na Flórida, e todo mês lança três novos modelos, moldados em distintos pés. Gary Richards supõe ter encontrado o verdadeiro negócio da china, sem se dar conta que o objeto de fetiche deveria ter dedos separados e flexíveis Pé-frio. Pop. Indivíduo de má sorte, azarado, capaz de atrair infelicidade para os outros. 
© Christian Piper (cartaz Folkwang Ballett, Essen, Alemanha) / © Sebastião Salgado (Ceará, 1983, Terra, Editora Companhia das Letras,1997) / © Tom Wesselmann (cartaz Edition Olympia, 1972, Graphis # 158) / Colors magazine # 9 (Fantasies Unlimited)