Páginas

quinta-feira, 26 de março de 2015

Sereia


Ex-libris, marca de impressor, litografia de Ludmila Jiřincová (1912-1994). Depois de ter estudado pintura e cerâmica escultural na Academia de Belas Artes de Praga e artes gráficas em Paris, Jiřincová tornou-se membro da Society of Collectors and Friends of Ex-libris na década de 1960. Trabalhou como ilustradora de capas de livros, muito especialmente livros de poesia. A artista tcheca criou mais de 2 mil pinturas. Foram no entanto os seus belos desenhos que lhe trouxeram o reconhecimento internacional  A atriz italiana Gina Lollobrigida na capa de Show, ilustração de Paul Davis, revista editada por Henry Wolf. Ilustrador e designer gráfico, Davis desenvolveu um estilo visual particular que o destacava de seus contemporâneos. No final da década de 1960 e o início da década de 1970, tornou-se um dos melhores ilustradores na criação de capas de revistas e design gráfico, como a representação religiosa do revolucionário Che Guevara para a Evergreen, e os cartazes com a sua versão de Hamlet para o New York Shakespeare Festival, desafiaram as convenções da publicidade teatral. Seu trabalho tem sido objeto de inúmeras exposições em galerias e museus em toda a Europa, Estados Unidos e Japão. Davis é membro do corpo docente da School of Visual Arts, membro da American Academy em Roma, membro do Art Director's Hall of Fame e membro do prestigioso programa Applemaster  The Bather, de William P. Immer, integra a série de cinco audaciosos estudos que faz parte da exposição com o título "Period", criada especialmente para a Galeria Aureus Contemporary. Nas suas pinturas — apropriadas a partir das representações de pintores da arte figurativa como a Baigneuse de Valpinçon, de Ingres (1780-1867), Immer apresenta novas associações, cujos valores, para o artista, dependem dos múltiplos significados que elas já assumiram na mente do espectador. E a ideia é esta, quebrar a distância entre o observador e essa união de detalhes que chamamos de história da arte  A sereia art nouveau de Odilon Redon (1840-1916) é a reprodução fotográfica de uma das três litografias executadas pelo pintor para a edição do Un coup de dés (1897) de Mallarmé (1842-1898). O poeta francês, pouco antes de morrer, corrigiu provas desse livro, que nunca chegou a ser editado. As provas do texto e das litografias foram recuperadas e publicadas pela primeira vez por Robert Greer Cohn em Mallarmé's Masterwork: New Findings, 1966. Seguindo uma pista de Cohn, o poeta, tradutor, ensaísta e professor Haroldo de Campos (1929-2003) obteve da Houghton Library uma fotografia da sereia de Redon, reproduzida em seu Mallarmé, 1972. "Fica assim restituída ao leitor a evocação redoniana da estatura frágil tenebrosa / ereta / em sua torsão de sereia que irrompe na página mallarmaica."
© Ludmila Jiřincová ( Ex-libris, litografia, sem data. Reprodução Graphis # 166) / © Paul Davis (Revista Show, agosto de 1963. Cortesia do ilustrador. Link Paul Davis Studio ) / © William P. Immer / Cortesia de Aureus Contemporary ( The Bather, 20"x 16", óleo sobre tela, 2011/ Link Aureus Contemporary Art Gallery) / © Odilon Redon (Mallarmé, Augusto de Campos, Décio Pignatari, Haroldo de Campos, Editora Perspectiva, 1974. Coleção Signos, dirigida por Haroldo de Campos)